Contadores terão que se inscrever comunicar ao COAF-RFB atividade suspeita do cliente

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/01/1573654-coaf-diz-que-brasil-e-exemplo-no-combate-a-lavagem-de-dinheiro.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo. Se precisa copiar trecho de texto da Folha para uso privado, por favor logue-se como assinante ou cadastrado.

COAF – Conselho de Controle de Atividades Financeiras do Ministério da Fazenda, que tem finalidade de disciplinar, aplicar penas administrativas, receber, examinar e identificar as ocorrências de atividades ilícitas, promovendo informações entre os setores público e privado, determina que toda operação suspeita, comercial e financeira, deve ser obrigatoriamente comunicadas ao COAF. Estas informações são protegidas por sigilo e não se configuram como denúncias. Assim, o contador deverá demonstrar o zelo, diligência e a honestidade contidos no Código de Ética. O contador que não cumprir estará sujeito às sanções e penalidades previstas na legislação.

O Brasil, através da RECEITA FEDERAL, POLÍCIA FEDERAL, TCU, nos últimos anos tem descoberto diversas lavagens de dinheiro, questionando o baixo número de condenações.  O COAF não investiga, não julga e não denuncia, pois não é sua finalidade.

Só na operação Lava Jato, foram produzidos 108 relatórios pelo Coaf, sobre cerca de 4 mil pessoas físicas e 4 mil pessoas jurídicas.  O contador que estiver envolvido ou aquele que se manteve em silêncio, sofrerá as sanções e penalidades previstas na legislação.  Tem a obrigação de informar e se não possível, afastar-se destas irregularidades.  Primeiro, fazer o cruzamento de informações e depois obter as provas. O mais difícil, condenar estes corruptos por estes crimes, como mensalão e outros, esbarra no sistema judicial brasileiro e no perfil desses investigados ricos, que possuem advogados conceituados e não se observa nenhum combate por parte do governo a tais, conforme o Brasil e o mundo presenciou no mensalão.

Doleiro, era uma pessoa de estimação quando dele se necessitava.  Mas alguns, como é que eles estão operando?  Difícil de se responder.  Mesmo diante de tantas operações deflagradas nos últimos anos, a criatividade destes criminosos nos deixam perplexos, onde se coloca o dedo, é sujeira e corrupção.  O sistema bancário continua sendo o principal canal para lavagem de dinheiro.

Os contadores sempre fizeram o seu serviço de acordo com as determinações do CFC – Conselho Federal de Contabilidade.  O Grupo Asse há 40 anos nunca teve dificuldade com seus clientes, profissionais da saúde, porque estes contribuintes sempre agiram em conformidade com a Lei, até mesmo, porque seus serviços são dedutíveis no IR do tomador dos serviços, nunca deixando de emitir seu comprovante revestido das formalidades legais – PF e PJ.

Os contadores farão sua inscrição no COAF, sabendo que sem leis mais rígidas, os criminosos continuarão agindo e o governo repassando os rombos para a sociedade pagar.

Menu