Como dar advertência ao meu empregado?

A advertência é uma medida disciplinar, que integra o poder diretivo/pedagógico do empregador e que objetiva avisar o empregado que ele teve algum comportamento em desacordo com as boas normas da empresa, e que, caso permaneça tal comportamento, ou a ação se repita, a empresa poderá tomar medidas mais drásticas, como a suspensão e, até, a demissão por justa causa.

Aqui, podem surgir algumas dúvidas, como, por exemplo, quantas advertências são necessárias para que o empregado seja suspenso; ou, quantas advertências são necessárias para que o empregado seja demitido por justa causa?

A primeira informação importante que o empresário (pode ser o gerente, coordenador, supervisor) deve saber é que a advertência, seja verbal ou escrita, deve ser aplicada de imediato, tão logo o funcionário cometa a falta. Isso porque uma eventual demora em aplicá-la pode caracterizar o que chamamos de “perdão tácito” do empregador, retirando a eficácia da advertência.

Além disso, a advertência tem que ser objetiva e descritiva. Ela não é uma carta na qual deve-se expressar os sentimentos de repúdio ou desprezo à conduta do empregado. E por que eu falo isso? Uma coisa que percebi é que muitas vezes o funcionário traz tantos problemas para a empresa, que o chefe (vou falar chefe, pois pode ser o dono, o gerente, coordenador ou o supervisor) escreve sua mágoa na advertência, só que isso é errado, e pode, inclusive, gerar uma indenização por dano moral (assédio moral) contra a empresa. Portanto, nada de sentimentos nas advertências, ok?

Uma advertência objetiva e descritiva deve conter os detalhes do fato, com a data, horário, local do ocorrido e os envolvidos.

Agora, se for aplicada verbalmente, é importante que o chefe não abuse de sua autoridade, não fazendo ofensas, humilhações ou situações vexatórias ao empregado, pois isso também pode acarretar numa indenização por dano moral (assédio moral) contra a empresa.

Vale ressaltar que uma advertência que foi aplicada de maneira verbal não pode ser aplicada, novamente, na forma escrita, para que não se configure uma dupla punição do mesmo fato.

Se for escrita, a advertência deve ser assinada pelo chefe (quem está aplicando) e pelo empregado faltoso. E se, por algum motivo, o empregado apresentar objeções e não assinar a advertência, o chefe deve chamar duas testemunhas que presenciaram a ação faltosa do empregado e pedir para elas assinarem a advertência. O empregado tem o direito de ficar com uma cópia da advertência, mesmo que ele não queira assiná-la.

Menu